Arquivo da tag: inclusão

  1. A inclusão que ensina

    Deixe um comentário

    janeiro 9, 2017 por davidepompermaier

    Publicado no site: https://novaescola.org.br em julho de 2009 por Daniela Talamoni Verotti e Jeanne Callegari “Matheus Santana da Silva, 14 anos, autista, estuda …
    Continue lendo

  2. Inclusão Escolar de alunos com autismo

    Deixe um comentário

    setembro 19, 2016 por davidepompermaier

    Palestra da Dra. Maryse Helena Felippe de Oliveira Suplino (Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense(1987), especialização em Psicopedagogia pela …
    Continue lendo

  3. Pessoas autistas, protagonistas de um Brasil mais inclusivo

    setembro 14, 2016 por davidepompermaier

    Publcado no site abraca.autismobrasil.org, em 15/ de março de 2016 De uma maneira geral a sociedade ainda enxerga o autismo como …
    Continue lendo

Transtorno e sintoma

A noção de transtorno é o que unifica o campo das terapias cognitivo-comportamentais.

Etimologicamente, transtorno significa tanto situação imprevista e desfavorável como situação que causa incômodo para alguém.

Só resta saber quem é o incomodado, se o terapeuta cognitivo-comportamental ou se o sujeito que é submetido ao seu tratamento.

O verbo transtornar, por sua vez, significa tanto modificar a ordem, pôr outra ordem em funcionamento, quanto provocar desordem.

Em inglês, que é o idioma oficial dessa prática, também é evocado o sentido de desordem: disorder.

Em francês, por sua vez, tem uma conotação interessante: trouble tem o sentido de uma perturbação política.

Mas podemos considerar que todas essas acepções de transtorno, quando tomadas por práticas que se julgam objetivas e que pretendem estabelecer jurisdição sobre as práticas, pressupõem três aspectos:

1. O transtorno é uma perturbação da ordem a ser seguida;

2. Se há uma ordem a ser seguida, há a necessidade de adaptar-se a essa ordem;

3. O transtornado é alguém que sofre de um déficit de competências em relação aos outros sujeitos que se adaptaram a essa ordem.

Retomamos aqui a questão que colocamos no início: quem é mais afetado pela desordem, o paciente ou o terapeuta?

TRANSTORNO, SINTOMA E DIREÇÃO DO TRATAMENTO PARA O AUTISMO

Roberto Calazans

Clara Rodrigues Martins